Poeira da Estrada





As vezes, você também tem a sensação de que nada faz sentido?
Essa sensação me consome, apesar de não acreditar piamente,  pra mim a vida se parece muito com um  quebra-cabeças e quase nunca as peças se encaixam, por alguma razao.
Se tivesse poderes mágicos voltaria no tempo e faria tudo diferente,
Absolutamente tudo, mas não podemos voltar no tempo.
Será que perdemos tempo demais com coisas que nos fazem perder tempo?
Será que realmente é assim?
Ou será que as coisas que nos fazem perder tempo, não são exatamente as mesmas coisas que nos fazem ganhar sabedoria e compreensão?
Tempo é tudo que temos e não temos ao mesmo tempo,
Todos os dias são diferentes um do outro por mais que se pareçam iguais,
Todos os dias temos a chance de recomeçar e fazer algo diferente,
Mas não fazemos por medo, comodismo, ou não fazemos por falta do tempo que pensamos não ter.
O próximo amanhecer pode ser o último, hoje pode ser o último dia,
Sabemos que é assim, a ordem é nascer e morrer,
Mas não estamos preparados para morrer não é mesmo?
O medo de arriscarmos algo que talvez possa dar certo, torna-se gigantesco,
Como não temos certeza de nada, continuamos exatamente como está.
Na verdade nos tornamos reféns de nós mesmos desde o inicio,
Somos aprisionados por medos que carregamos desde a infância,
Os palavrões ditos com fúria na briga dos pais, as pessoas que nos violentaram fisicamente ou emocionalmente, que não são esquecidas com nenhum tipo de terapia.
Somos acorrentados  por condutas, normas e regras que foram inventadas e nunca cumpridas,
Somos amordaçados para não gritar aos quatro ventos as nossas dores e rancores,
Só os “fracos” demonstram o que sentem,
Só os “fracos” choram,
Só os “fracos perdoam”
Somos censurados para não fazer o que não é justo,
Mas justo pra quem?
Pra mim, pra nós ou ninguém?
Os que ditam as regras são os mesmos que as quebram,
Sentimos tanto e demonstramos tão pouco,
Amamos tanto mas não sabemos o que fazer com tanto amor, não sabemos o que fazer pelo outro e para o outro, não sabemos dizer “eu te amo”
O egoísmo que nos dilacera, anda sempre de mãos dadas com o ego desafiador  que habita em  nós, limitando assim nosso perdao.
Não somos capazes de perdoar e nem reconhecer nossos próprios erros,
Quem dirá perdoar e amenizar os erros dos outros.
Arrastamos nossos sentimentos pela longa ou curta estrada da nossa vida,
E por essa estrada seja ela qual for,  
Os pedaços destroçados dos nossos corações decepcionados, se misturam a poeira da terra que o vento traz,
E a poeira por nos incomodar, faz escorrer lágrimas vermelhas dos olhos....




                                                   
Comente pelo Blogger
Comente pelo Facebook
Comente pelo Google+

3 comentários:

  1. Uia que profundo ...Falou tudo nesse texto
    somos assim mesmo, sofremos muitas vezes por
    não saber como lidar com cada situação, e sempre
    vem a poeira da estrada...Ai não tem jeito nossos olhos choram!!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Vanessa

    Tive um prazer imenso em ler este seu texto. Uma reflexão que todos deveríamos fazer. É o tempo que temos ou não, o certo e errado (para quem?), os medos que carregamos, a morte a única coisa certa que temos e tememos. Não nos preparamos e ela pode chegar a qualquer momento.

    Muito obrigada

    Olinda

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida amiga Vanessa!
    Passando para desejar-lhe uma feliz e abençoada Oitava de Páscoa junto aos seus amados!
    Lágrimas de sangue são derramadas pela vida afora mas o Senhor nos recupera de todo mal e elas nos tonificam o viver...
    Bjm festivo de paz e bem

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo(a) aqui, comente, se expresse!

Deixe-me que Te Leia...


Voltem sempre e saudações a tod@s!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Não posso, não quero e não vou fugir do que sou, sou a soma de todos os meus atos, sou o resultado de tudo que fiz e vivi, e vivendo na intensidade de mim, me tornei única!



Vanessa Palombo

Categorias

Arquivo

Visualizações