Na Sua Memória







Sentada na cadeira de balanço observava as crianças que brincavam no jardim,
As crianças sorriam contentes,
Cantavam e corriam alegremente.

Naquelas imagens distraia-se inexplicavelmente,
Olhava com ternura para rostinhos familiares, tranquilos e despreocupados.

Sem compreensão, uma emoção apertou-lhe o peito quando os reconheceu e reconheceu-se numa das crianças,
Lágrimas insistentes rolavam pelo seu rosto marcado pelo tempo,
Emocionada fechou os olhos,
Ao abri-los as crianças não estavam mais ali,
Haviam voltado para dentro da sua memória,
Da memória viva e feliz que tinha do verão de 1946.

A vida do corpo desaparecia,
Chegava a sua hora,
Não teve medo, de certa forma sentia que iria reencontrá-los.

Enquanto o espirito lentamente desligava-se do corpo,
Na sua memória, ainda brincava com seus irmãos no jardim...

Comente pelo Blogger
Comente pelo Facebook
Comente pelo Google+

12 comentários:

  1. Lindo fim assim,aconchegada e feliz! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Lindo poetar amiga Vanessa, a Vida é eterna, isso nos dá essa fé em continuar, os que vão, com certeza cumpriram o proposto e vão leves e felizes!
    Sonhei essa noite com criança, imagine, uma criança sendo confiada a mim e ao meu marido, como se eu a tivesse de adotar e foi tão real que acordei ainda com a linda imagem do bebe em minha mente!
    Abraços amiga querida!

    ResponderExcluir
  3. Uma linda construção para expressar um momento de emoção e tristeza que se reveste de uma beleza impar.
    Aplausos Vanessa.
    Meu carinhoso abraço.

    ResponderExcluir
  4. Divino
    deve ser assim quando é chegada a nossa partida
    mas guardamos nas lembranças as crianças que fomos um dia
    elas voltam como vc disse, muito bonito
    Bjuss de boa noite com bons sonhos

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
  5. VANESSA:Um poema sensível e ao mesmo tempo tristonho...!Porém, faz parte da nossa realidade:NASCER, CRESCER E....!Beijos e uma ótima noite!

    ResponderExcluir
  6. Tamanha sensibilidade nos leva às lágrimas. É assim, essa nossa vida... as lembranças fazem parte da nossa caminhada e com certeza todos nós sabemso o tempo do fim...
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Que lindo maninha um poema tocante...adorei!!!

    ResponderExcluir
  8. Vanessa, estava lendo seu poema com muita saudade pois a dias não consigo visitar o seu blog (que digo sempre um dos meus preferidos), e ao mesmo tempo estou vendo a notícia do falecimento de nossa amiga Cris Henriques, seu post vem bem de encontro a esse momento, é como se fosse feito para ela.... lindo poema, parabéns pelo seu talento e principalmente sensibilidade. Bjoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rosa,

      Que notícia triste, lamento muito, a Cris Henriques era uma amiga muito querida....
      Bjos

      Excluir
  9. Olá, querida Vanessa
    Me deu muita consolação...
    Bjm fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo(a) aqui, comente, se expresse!

Deixe-me que Te Leia...


Voltem sempre e saudações a tod@s!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Não posso, não quero e não vou fugir do que sou, sou a soma de todos os meus atos, sou o resultado de tudo que fiz e vivi, e vivendo na intensidade de mim, me tornei única!



Vanessa Palombo

Categorias

Arquivo

Visualizações