O Mistério da Casa na Ponte




Ninguém sabia ao certo o que se passava com aquela família, pai, mae e irmãos, eram todos estranhos, essa a visão da população do pequeno vilarejo.
Moravam naquela casa sombria há trinta anos e mal falavam com os vizinhos. O filho mais velho parecia ter transtornos psicológicos, não se formou, não trabalhava e vivia solitário, caminhava desatento pelas ruas como se as pessoas não existissem. A irma do meio era uma figura cômica,  tinha  43 anos e vestia-se como se ainda vivesse nos anos 70, parecia que havia parado no tempo. Trabalhava num cartório e dizia ter um namorado sociólogo que morava na capital, mas o boato corria solto que ela era completamente louca,  que havia inventado um relacionamento para não parecer solitária, mas na verdade seu namorado era invisível, pois nunca ninguém chegou a vê-lo.

A irma caçula era a única que as pessoas diziam ser “normal”,  deixou a casa dos pais aos 17 anos,  e sumiu mundo afora com seu amor. Uns diziam que o moço era cigano, outros diziam que era caixeiro viajante, e outros maliciosos diziam que ele ganhava a vida como  “cover” do Raul do Seixas, pois a semelhança entre eles era gritante.

O pai trabalhou na lavoura até se aposentar, mal saia na calçada, ficava o tempo todo sentado na cadeira de balanço no fundo do quintal olhando para o céu.
A mae durante a vida toda foi uma mulher dura e exigente, o tempo passou e acabou vivendo uma vida pela metade, não conseguiu nada do que queria, não realizou seus sonhos de menina e nem de mulher, foi obrigada a casar-se com um homem simples por imposição de seu pai.
Amaldiçoava sua vida pobre, repugnava o pouco que tinha e nunca sentiu e nem  valorizou o coração puro do marido.

De tanto exigir, acabou tendo filhos incompreendidos, e todos eles trancaram-se dentro de si mesmos, de alguma forma criaram um mundo em que pudessem sobreviver. E na luta pela sobrevivência a tragédia transformou-se em humor, aquela família era a piada da cidade, uma piada real que tinha endereço e pessoas como marionetes.
 Todos os julgavam sem conhecê-los, todos zombavam dos personagens que compunham o elenco de um teatro ridicularizado, realizado em praça pública.
 As más línguas os chamavam de " Estranhos”, eles faziam parte de um teatro de horror intitulado como:
"O Mistério da Casa na Ponte"...





Comente pelo Blogger
Comente pelo Facebook
Comente pelo Google+

14 comentários:

  1. Uma família realmente estranha, mas que soube deixar a todos curiosos e o segredo até agora, não revelado! O que haveria lá naquela casa? Gostei! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Oi, Vanessa...

    o seu texto me fez pensar sobre a vida, as pessoas e as leis que regem nossa sociedade. Somos todos incompreendido, não? O preconceito é gritante e as pessoas são transformadas em meras marionetes nas mãos invisíveis de uma sociedade caótica. Por isso, penso que devemos lutar para sermos nós mesmos, vivermos e valorizarmos tudo o que temos, porque uma meia vida não é vida! Texto maravilhoso! Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Oi Vanessa!
    Penso que tirou os personagens da vida real, pois muitos se parecem com pessoas que vivem por aí, mesmo não sendo da mesma família. Ficou interessante para uma peça teatral. Quem sabe?
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Quantas pessoas não sofrem por serem discriminadas.
    um belo conto parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Personagens fictícios parecidos com a vida real....
    Um conto bem elaborado e instigante, parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  6. Oi Chica,

    O mistério gira em torno da mae, exigiu tanto de marido e filhos que acabou nao realizando nada...

    Os filhos foram reflexo de tudo isso...

    Abçs

    ResponderExcluir
  7. Olá! Extraordinário texto, que retrata fabulosamente bem, os reflexos da sociedade! abraços

    ResponderExcluir
  8. Apesar de ser um conto seus personagens criaram vida, gostei muito mais uma vez parabéns.
    O meu foi sangrento demais kkk

    ResponderExcluir
  9. Muitas vezes só necessitamos de uma palavra de conforto, de ânimo,
    de alguém que dedique um pouco do seu tempo para nós.
    E são nessas muitas vezes que encontramos nossos amigos virtuais!
    Hoje venho te abraçar pelo dia do amigo virtual.
    Você é benção na minha vida.
    Quero estar em sintonia contigo
    por muitos anos .
    Como muito carinho deixei um mimo na postagem,
    simples mais de todo coração.
    beijos te agradeço pela nossa amizade.
    Evanir.

    ResponderExcluir
  10. Olá Vanessa
    Quanta criatividade na sua participação
    Parabéns!
    Beijos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  11. Como disse a Pati personagens fictícios mais reais do que imaginamos.
    Que trágica a vida essa família, pessoas infelizes que acabam influenciando a vida dos que estão ao redor.
    Parabéns mai um conto fascinante.

    ResponderExcluir
  12. E o segredo? Talvez a discriminação.. .Talvez não seja nada disso e por serem tão discriminados se tornaram assim.... quem sabe?
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Olá Vanessa, já tive vizinhos estranhos morando no mesmo prédio, tão estranhos que um dia ouvi a mãe gritando com a filha para que ela pulasse do prédio, parecia uma louca mandando a filha se matar, não sei o que a filha fez mas fiquei pensando vai que ela pula, mulher mais louca rsrs Bjossss

    ResponderExcluir
  14. Oh que trágica familia nenhum era feliz
    o mist´rio da casa era mesmo todos ser diferentes
    cada um com seu jeito escondido
    Mas que eram estranhos ah isso eram né

    Gostei cada um com seu mistério

    Abraços
    _________Rita!!!

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo(a) aqui, comente, se expresse!

Deixe-me que Te Leia...


Voltem sempre e saudações a tod@s!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Não posso, não quero e não vou fugir do que sou, sou a soma de todos os meus atos, sou o resultado de tudo que fiz e vivi, e vivendo na intensidade de mim, me tornei única!



Vanessa Palombo

Categorias

Arquivo

Visualizações