A Razão do Coração




A chuva que cai dos meus olhos escorre de mansinho na janela do meu coração,
Definitivamente, ainda não compreendo vendavais interiores e terremotos espirituais,
Tento buscar respostas imaginárias para que a chuva que cai dos meus olhos cesse.

Tento sobrevoar as montanhas que escondem-me do sol,
Tento ir além do infinito para alcançar dimensões inexploradas,
Tento superar-me para obter com a minha existência respostas plausíveis,
E direções que levem-me onde ninguém foi.

Tento compreender as perfeições que meus olhos ainda vêem imperfeitas,
Tento compreender porque tudo tem que ter começo e fim,

Tento compreender porque a chuva que cai dos meus olhos, afoga-me pouco a pouco no mar incompreensível da razão...



Comente pelo Blogger
Comente pelo Facebook
Comente pelo Google+

14 comentários:

  1. Oi, Vanessa
    Paz
    Enviei por e-mail um antídoto para o veneno desta melancolia que tanto entristece os seus amigos.

    ResponderExcluir
  2. Todas essas tentativas são feitas por todos nós, sem jamais encontrarmos uma resposta satisfatória. É um dos mistérios do Criador de tudo. Só Ele pode nos responder. Perguntemos! Meu beijo.

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida Vanessa
    Essa procura ansiosa nos dignifica, afinal pois somos seres pensantes que amam...
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir
  4. O poeta vai sempre além...
    Parabéns Vanessa!

    Abração
    Jan

    ResponderExcluir
  5. Muitas vezes não compreendemos mesmo as razões de nosso coração! Magnífica e sensivel poesia! bjs,

    ResponderExcluir
  6. E encontrarás sempre, uma nova razão navegando por sobre as lágrimas! abraços

    ResponderExcluir
  7. Vanessa, linda poesia sobre a dor, ainda bem que há as lágrimas para aliviar, viver é isso mesmo, todos precisam de um tempo, o tempo necessário para se encontrar ou se reencontrar!
    Amei ler, a sensibilidade é grande, vamos indo que tudo há de ficar bem, sempre há a saída, sempre há!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  8. O nosso caminhar pode ser de tropeços, de amarguras, de sobressaltos, mas a fé em nossos sonhos alicerçam-nos a prosseguir sempre mais e mais... É o ciclo da vida!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Oi Vanessa!
    A chuva que chove aí não pode ser sentida por ninguém, já que cada um possui a sua própria. Entendo sua inquietação perante o indecifrável, já que a vida é isso, uma estrada entre as emoções e as razões e cada um segue o seu próprio caminho. Só! Completamente só! Mesmo em meio à multidão.
    Nalguma altura deste caminho, a maturidade começa a se mostrar e é justamente isso que vejo neste belo poema.
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  10. Sempre que leio eu choro.......

    Então li gostei e te elogio por mil anos
    enquanto escrever e eu puder ler.......

    Abraços de sempre

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
  11. Nossa vc sabe mesmo nos tocar.
    Que coisa mais linda.

    ResponderExcluir
  12. Vanessa,
    que lindas palavras que vc colocou aqui no seu post. Adorei a dança que fez com elas.
    Beijos
    Adriana

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo(a) aqui, comente, se expresse!

Deixe-me que Te Leia...


Voltem sempre e saudações a tod@s!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Não posso, não quero e não vou fugir do que sou, sou a soma de todos os meus atos, sou o resultado de tudo que fiz e vivi, e vivendo na intensidade de mim, me tornei única!



Vanessa Palombo

Categorias

Arquivo

Visualizações