Nada




Não restará nada,
Não haverá lágrimas e sentimentos,
Nem mesmo as palavras serão capazes de traduzir o significado do vazio que resulta o nada.

Não sobrará pedra sobre pedra,
Nem restará cacos,
Ou estilhaços.

Não sobrará nada,
Nem as cinzas e nem o pó das nossas escolhas.

Não haverá nada além do horizonte,
Ou atrás das montanhas,
Não existirá nada,
Nada no céu e nem tampouco no inferno,
Não existirá anjos e nem demônios,
Não existirá espíritos e nem almas,
Somente corpos que perecerão.

Então tanto faz,
Se amarmos ou odiarmos,
Se a bondade ou a maldade habitar nosso coração,
Se não tivermos conduta ou ética,
Tanto faz se desprezarmos,
Ou se tivermos compaixão,
Se formos mesquinhos,
Ou caridosos,
Se tivermos fé ou não,
Quem se importa?
Tanto faz,
Não há nada mesmo!

Dentro do nada,
Nada poderá existir,
A vida significará “nada”
E a morte nada será,
Nada além de um nada que ceifa a vida.

Não haverá nada,
E não restará nada,
Nem luz e nem trevas,
Enquanto " nada há" em ti restar...



Comente pelo Blogger
Comente pelo Facebook
Comente pelo Google+

22 comentários:

  1. Fortíssimo Vanessa..nem sei o que dizer, adorei !!!!!

    ResponderExcluir
  2. Que bonito e profundo, e bem forte esse poema mais uma vez eu me delicio por palavras tão bem postada
    Agradeço sempre por ler o que de bom vc escreve
    Abraços
    Rita!!!!

    ResponderExcluir
  3. Olá Vanessa, belissimos versos que nos leva a profundezas e reflexões . Um prazer te ler!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  4. Olá Vanessa
    Adoro seus textos, sou sua fã, mas discordo de você. Pense: existe você que nos enchem de emoção, existe ainda um pouco de amor, cumplicidade.
    Portanto minha querida, hoje parece que todo mundo está para baixo? Infelizmente a gente sofre, mas temos o alimento da alma para nos saciar nossa alma, nossa vida.
    Amanhã eu volto e quero ler poesia de amor, que tão bem escreve...
    Um caloroso beijo
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  5. Oi minha querida Dorli,

    Esse texto se refere a pessoas incrédulas, mas não é o meu caso, tenho muita fé e acredito em Deus.

    Quero dizer:

    Não haverá nada,
    E não restará nada,
    Nem luz e nem trevas,
    Enquanto " nada há" em ti restar...

    Quero dizer, se não houver crença em algo dentro de cada um de nós, a vida fica vazia e sem graça, porque o acreditar em algo é que move o mundo.

    Ps. Mas não me refiro a mim ok?

    Espero que tenha entendido

    Bjão

    ResponderExcluir
  6. Olá querida!
    Que bom!
    Quem não acredita em nada sofre calado.
    Desculpe, eu não soube interpretar, pois, meu forte é exatas
    Um beijo
    LuaSingular

    ResponderExcluir
  7. nada restará do tudo que deixarmos esboroar-se por entre os dedos.

    beijinho!

    ResponderExcluir
  8. Nem que sejamos apenas nós mesmos que nos importamos, vale a pena...

    "Vale sempre a pena, quando a alma não é pequena" (Fernando Pessoa)

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Nada é nada
    Lágrimas dos olhos caídas
    Que o fogo não apaga
    As mágoas sofridas!

    Se o nada é nada
    Será lugar vazio
    Encontrado de madrugada
    Tremendo frio!

    Sem calor
    Está frio
    Sem amor
    Lugar vazio

    Coração triste
    Sofrimento dor
    Porque a planta existe
    Dela nasce a flor!

    Boa noite para você, miga Vanessa.
    Um beijo
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  10. Sem duvida um poema impactante e provocante Vanessa, com certeza não se refere a vc, mas as reflexões que devemos fazer sobre o "tudo" que nos cerca, adorei!!! Bjoooooss

    ResponderExcluir
  11. Infelizmente acredito que muitas pessoas estejam assim hoje em dia, descrentes de tudo, gostei demais do poema conseguiu traduzir muito bem o vazio da alma.

    ResponderExcluir
  12. UUUUUUUaaaaaaaaaaaaaaauuuuuuu. Escritora, você está de matar a pau! Que cornucópia é essa? Que vastidão ainda inexplorada traz dentro de si? E a cada palavra traduzida dos recantos desbravados só nos faz deleitar. Sou grato por seus escritos. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  13. Você fez parte da Blogagem Coletiva de Espiritualidade?
    Eu não me lembro, contanto, não sei se visitou um blogue denominado SalPage do autor Diego da Silva Saldanha.
    Ele é ateu convicto e uma pessoa bem auto-suficiente. Não que ele se vanglorie por isto, não é como este ateísmo que vem tomando conta das redes sociais por modismos para pessoas bancarem as intelectuais.
    Ele age com todos naturalmente, mas simplesmente não acredita em nada e, por esta razão, ele aproveita TUDO da vida (e me baseio nisto em um comentário que ele fez a um conto meu denominado Desespero Silencioso).
    Portanto, esta visão é a que alguns que crêem e precisam crer podem ter dos que não crêem. Assim como os que não crêem, podem ter uma visão distorcida daquele que crê.
    Este poema é uma opinião pessoal, pois não temos autoridade em dizer que ateus e agnósticos vivam um nada. Eles apenas vivem do modo deles, muitos praticam o Bem voluntariamente, ao contrário de alguns que crêem e praticam, não de boa vontade, mas apenas por medo do inferno.
    Porém, independente do sentido e de como ele é interpretado, seu poema está muito bom e você escreve bem.

    ResponderExcluir
  14. Olá Vanessa, minha flor vim retribuir sua visita e agradecer, fico feliz que tenha gostado do cantinho da minha pequena, pois é de todo coração que dedico a ela cada palavra, estou te seguindo assim manteremos o contato, beijos minha linda e fica com Deus, da Thy, mamãe do anjo Malu. www.anjomalu.blospot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Hoje com o coração muito apertado
    com a alma triste pelo afastamento
    do menino poeta enamorado da (LUA)
    Um poeta que conta as estrelas
    da sua janela .
    Vai deixar uma grande lacuna não só
    no meu coração.
    Mais a todos que ama seus poemas
    e o carisma que trata todos nos.
    Minha homenagem ao meu maior idole
    esta na postagem.
    Vai se afastar sim:deixando seu livro
    um grande legado para quem conseguiu um exemplar.
    E seu exemplo que jamais vou esquecer
    Como esquecer de quem tanto me apoia
    de quem eu tanto amo.
    Virei poeta para homenagea-lo .
    Um abençoado final de semana beijos paz e luz.
    Evanir..

    ResponderExcluir
  16. Nooosssaa olha to bege Vanessa bom demais menina.

    ResponderExcluir
  17. O PAPEL E O POETA

    Não quero mais ser um coadjuvante
    Para ser lembrado apenas por um lapso.
    Estou farto de pensamentos disfarçados em abstrato
    Ziguezagueando por entre linhas de raciocínio.

    Quem é o criador?
    O poeta que se torna escravo de suas musas
    Ou o papel que as alforria silenciosamente?
    Perguntas sem respostas
    Cuja desculpa se encontra
    No último parágrafo.

    Cansei de ser o fardo de uma pena
    E depósito de frustrações.
    Quero libertar-me desse jugo
    E prender-me em minhas próprias idéias – ou:
    Ser o personagem da minha própria pessoa.

    Quero atuar em meu próprio mundo,
    Ser a minha gramática,
    Sem uma sentença que me condene.

    Quero descobrir o meu verdadeiro papel,
    Poder enxergar a mim mesmo.
    Não sobre uma escrivaninha fria e empoeirada
    Que o tempo deixou no esquecimento,
    Mas sim em cada alma,
    Em cada poesia.


    *( Agamenon Troyan )

    ResponderExcluir
  18. ps:te adc com meu novo perfil pois o outro resolveu travar e não conseguia postar no blog de jeito nenhum rs pra variar coisas do blogspot rs

    ResponderExcluir
  19. Olá, Vanessa!
    É enquanto houver vazios, não haverá nada!!!
    Um belo poema que leva a uma profunda reflexão!
    Bom fim de semana.Beijos no core.
    Soninha.

    ResponderExcluir
  20. Escrever é um Dom,continue...
    te sguindo,espero visita Bjo
    greenappleartesanatos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  21. Olá, Vanessa.
    Quando, por alguma razão, se resolve expurgar as emoções, tudo o que sobra realmente é o nada.
    E viver desta forma é apenas existir.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  22. SER CRIANÇA

    Quero voltar a ser criança
    Correr pelos campos
    Sujar-me com a pureza da terra;
    Banhar-me nas águas da cachoeira
    Conectar-me com a linguagem do mundo
    Traduzindo-o em brincadeiras.

    Quero dialogar com a minha infância
    Descobrir-me em sua rebeldia oculta
    O cúmplice de uma revolta sem feridas

    E titubear sílabas de ordem.

    Quero voltar a ser criança
    Para reconhecer em cada rosto
    Um gesto de bondade.
    Caminhar pelas margens de um rio
    E medir seu mistério;
    Deixar que a chuva molhe minha alma
    Enquanto meu corpo sacia-se em liberdade...


    * Agamenon Troyan

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo(a) aqui, comente, se expresse!

Deixe-me que Te Leia...


Voltem sempre e saudações a tod@s!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Não posso, não quero e não vou fugir do que sou, sou a soma de todos os meus atos, sou o resultado de tudo que fiz e vivi, e vivendo na intensidade de mim, me tornei única!



Vanessa Palombo

Categorias

Arquivo

Visualizações