A Menina na Janela


                                                       ( Foto Google)


A menina olhava a rua pela janela,
Em seus pensamentos imaginava o que seria quando crescesse,
Tantas coisas passavam pela sua cabeça,
E para não esquecer dos seus sonhos,
Anotava-os num caderninho que chamava de diário,
Suas palavras eram cheias de esperança,
Achava que a vida de adulta certamente teria mais graça do que a de menina,
Achava que seria maravilhoso poder fazer o que quisesse, sem precisar dar satisfações a ninguém,
Achava que tudo seria diferente quando atingisse a maioridade.

Mas ela estava completamente enganada,
Desejou tanto que a infância e a adolescência passassem rápido,
Que o tempo atendeu seu pedido.

E sem se dar conta,
Num momento da vida, percebeu que olhava a rua pela mesma janela,
E espantou-se!
A vida passava dentro de si como um filme em sua memória,
Olhou-se pelo reflexo do vidro e observou que há muito tempo havia deixado de ser aquela menina,
O tempo havia passado depressa demais e nessa pressa carregou com ele muitos dos seus sonhos,
Uma parte da sua esperança,
E outra parte da sua alegria.

A menina que foi um dia transformou-se em mulher,
E depois de tantas batalhas, tantas tempestades,
A dor e o sofrimento transformaram-na em adulta.
O tempo a fez deixar de lado a doçura de ser criança,
Para adquirir o sabor incompreendido e amargo de ser adulta.

Depois de anos, compreendeu que a melhor fase da vida é a que vivemos intensamente e sem pressa,
Depois de tanta dor e decepção, descobriu que apesar do tempo ter sido impiedoso, ele não era capaz de matar a criança que ela havia sido.

Nada e ninguém seria capaz de tal ato,
Pois a criança permaneceria eternamente dentro dela,
E toda vez que ela olhava a rua pela janela,
A menina que foi dizia-lhe ao pé do ouvido:

“Por que tanta pressa? Tenha calma, não lamente-se mais pelo passado e nem subestime o futuro,
Viva o agora com a minha doçura na sua alma e junte com o amadurecimento da mulher que és, viva hoje a melhor fase da sua vida, e sem medo siga seu caminho...






Comente pelo Blogger
Comente pelo Facebook
Comente pelo Google+

31 comentários:

  1. Que lindo, a menina da janela acha que se crescer será uma pessoa melhor e com maior liberdade, e quando cresce percebe aprende que é exatamente o contrário. Bjos

    ResponderExcluir
  2. Olá! Bom dia!
    Tudo bem?
    Belo ...como sempre...
    para que pressa?...quando vai aprender com os próprios erros até encontrar a resposta certa? para que pressa? se é necessário desenvolver-se de maneira plena e sadia, como uma pessoa responsável, produtiva e consciente de seu potencial.
    para que pressa? se "pular" etapas, e ver q não é nada e ninguém, quando tinha a vida toda para ser...
    Boa semana!
    beijos com carinho!

    ResponderExcluir
  3. Se todo mundo soubesse,tudo que está em sua bela crônica-poética, Vanessa,
    realmente não teria pressa em nenhuma fase da vida...Deixar passar, tranquilamente, cada momento, é o mais prudente, parece até que a vida se torna mais longa.

    A imagem da menina na janela, é muito linda. A criança que temos dentro de nós, nunca se finda, nos acompanhará sempre, Viva, na memória.

    Um abraço, linda escritora,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  4. Nossa infância e juventude é tudo na base do achismo. Acho isso, acho aquilo, mas quando deparamos com a realidade tudo é diferente.

    Quando menos esperamos chegamos ao final da nossa juventude sem acharmos o caminho de volta depois de tantas coisas que nos aconteceu nesse espaço de tempo que jamais teremos de volta.

    ResponderExcluir
  5. Vanessa, lindo texto, me fez lembrar a minha infancia, como todos nós, sempre pensamos que a felicidade se encontra mais além, na vida adulta, exatamente por pensarmos em nossa liberdade, mas quando crescemos percebemos que todos, sem exceção, sempre pensamos que fomos mais felizes na infancia, pois é,mas não, o momento presente sempre é o melhor, sempre!
    Abraços linda escritora,
    Ivone

    ResponderExcluir
  6. Oi minha querida Ivone, essa foto é não é minha não, eu era uma menininha loirinha, qualquer hora coloco minhas fotos de pequena.

    Obrigada pelo seu carinho

    ResponderExcluir
  7. Cada fase de nossas vidas é pra vivermos intensamente, pois não sabemos do minuto seguinte!
    Bj. Célia.

    ResponderExcluir
  8. Belo Vanessa!

    "Depois de tantos anos, entendeu que a melhor fase da vida é a que vivemos intensamente e sem pressa..."

    Muito bom, muito bom! Parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Olá Vanessa, por mais que a nossa vida seja repleta de acontecimentos diversos, a criança que fomos sempre habitará dentro de nós! Lindo! Bjoooss

    ResponderExcluir
  10. Uma amiga muito especial
    hoje marca a postagem do meu blog.
    Um ser divino que em pouco tempo conquistou corações nesse mundo virtual.
    O meu foi quase um dos primeiros a ficar apaixonado pelo carisma ,
    e grandeza de seu coração.
    Convido você a deixar seu carinho e fazer parte dessa preciosa amizade.
    Espero em Deus ter saúde o suficiente para conhece-la pessoalmete
    em 2012.
    Vou ficar agradecida com sua doce presença.
    Uma linda e abençoada semana.
    Beijos ternos e carinhosos.
    Evanir.

    ResponderExcluir
  11. Lindo poema, nunca tive pressa e mesmo assim o tempo passou rápido demais.

    ResponderExcluir
  12. Ola Escritora Vanessa,
    história tão bonita, mágica. como se de um conto de fadas. Por que as crianças com pressa? eles querem ser mais respeitável ... dulces niños, puro amor!

    Deijo um poema muito hermoso:

    Juventud, divino tesoro,
    ¡ya te vas para no volver!
    Cuando quiero llorar, no lloro...
    y a veces lloro sin querer.

    Plural ha sido la celeste
    historia de mi corazón.
    Era una dulce niña, en este
    mundo de duelo y aflicción.

    Miraba como el alba pura;
    sonreía como una flor.
    Era su cabellera obscura
    hecha de noche y de dolor.

    Yo era tímido como un niño.
    Ella, naturalmente, fue,
    para mi amor hecho de armiño,
    Herodías y Salomé...

    Juventud, divino tesoro
    ¡ya te vas para no volver...!
    Cuando quiero llorar, no lloro,
    y a veces lloro sin querer...

    La otra fue más sensitiva,
    y más consoladora y más
    halagadora y expresiva,
    cual no pensé encontrar jamás.

    Pues a su continua ternura
    una pasión violenta unía.
    En un peplo de gasa pura
    una bacante se envolvía...

    En sus brazos tomó mi ensueño
    y lo arrulló como a un bebé...
    Y le mató, triste y pequeño
    falto de luz, falto de fe...

    Juventud, divino tesoro,
    ¡te fuiste para no volver!
    Cuando quiero llorar, no lloro,
    y a veces lloro sin querer...

    Otra juzgó que era mi boca
    el estuche de su pasión
    y que me roería, loca,
    con sus dientes el corazón

    poniendo en un amor de exceso
    la mira de su voluntad,
    mientras eran abrazo y beso
    síntesis de la eternidad:

    y de nuestra carne ligera
    imaginar siempre un Edén,
    sin pensar que la Primavera
    y la carne acaban también...

    Juventud, divino tesoro,
    ¡ya te vas para no volver!...
    Cuando quiero llorar, no lloro,
    ¡y a veces lloro sin querer!

    ¡Y las demás!, en tantos climas,
    en tantas tierras, siempre son,
    si no pretexto de mis rimas,
    fantasmas de mi corazón.

    En vano busqué a la princesa
    que estaba triste de esperar.
    La vida es dura. Amarga y pesa.
    ¡Ya no hay princesa que cantar!

    Mas a pesar del tiempo terco,
    mi sed de amor no tiene fin;
    con el cabello gris me acerco
    a los rosales del jardín...

    Juventud, divino tesoro,
    ¡ya te vas para no volver!...
    Cuando quiero llorar, no lloro,
    y a veces lloro sin querer...

    ¡Mas es mía el Alba de oro!



    Abraços.

    ResponderExcluir
  13. Lindo seu texto!
    Nos faz pensar na vida, e como deixamos passar momentos especiais por tanta pressa q tudo passe.

    Um beijo grande no ♥

    ResponderExcluir
  14. gostei do blog!Já te sigo...

    passa no meu blog, tenho lá um passatempo a decorrer ;)

    http://dressedcrisis.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  15. Não sabia que o tempo passaria tão depressa, senão teria aproveitado mais.Agora não posso lamentar o leite derramado.
    Bela foto, excelente crônica.
    Abração.

    ResponderExcluir
  16. Ainda bem que a criança que foi continua lá dentro dela... Significa que o que tem de melhor não desapareceu...
    Beijos, boa semana.

    ResponderExcluir
  17. Mi querida Yaya, así que te llamas Vanesa. Bonito nombre.
    Gracias por tu visita.
    Hoy no te puedo comentar, lo haré más adelante. Estoy agobiada corrigiendo mi libro con Alma Mateos Taborda, ya sabes que vivo en su casa.
    Gracias por estar a mi lado.
    Con ternura
    Sor.Cecilia

    ResponderExcluir
  18. Olá. Como sempre, ultrapassando a sensibilidade dos comuns. Maravilha!! Bjsss

    ResponderExcluir
  19. OLá Boa noite!

    Tão bonito esse teu poema, minha amiga, que saio daqui com a alma e os olhos cheios de poesia!

    Bjos da Lu...

    ResponderExcluir
  20. Me ha encantado y he disfrutado como un niño, merodeando los recuerdos de mi infancia.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  21. É maravilhoso quando conseguimos manter viva a nossa criança.
    Muito bonito este texto com um misto de simplicidade e sabedoria.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  22. Que mravilhosa obra de arte a sua, fiquei me imaginando aqui, olhando pela janela, abraços

    ResponderExcluir
  23. Olá escritora de Artes:
    Seu poema é lindíssimo, retrata a vida como ela é
    na sua realidade.
    Desculpe o atraso da minha visita, pois o meu computador
    estava com malware
    Agora que está tudo certo,
    venho curtir suas belas poesias.
    O meu melhor tempo foi o de criança que o retratei em :
    Flores do Campo" há tempos.
    Parabéns pelo seu lindo poema.
    Quem a admira muito
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  24. Lendo, voltei ao meu passado que
    saudade me deu..Quantas vezes fiz
    isso olhando pela janela e pensando
    Quero crescer rápido..e hj penso
    que bom seria , com certeza teria
    aproveitado mais meu tempo jovem.
    Um belo post
    Bjuss de boma dia
    Rita!!!!!

    ResponderExcluir
  25. Lindo Vanessa pena que a minha menina já morreu a muito tempo.

    ResponderExcluir
  26. Eu fazia igualzinho quando criança, olhava pela janela e escrevia no diário. A diferença é que nunca quis crescer, mas não teve jeito...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  27. Uma realidade, que é factor comum a todos nós. Quem não desejou deixar de ser criança para ser adolescente, deixar de ser adolescente para ser adulto?
    Hoje desejamos saborear o momento, mas o momento é tão breve que passa demasiado rápido! beijinho

    ResponderExcluir
  28. O tema dessa postagem leva a mente a divagar no tempo. Gostei... Eu já tive meus devaneios diante da janela... Que bom seria poder voltar a esse tempo.

    Abraços

    ResponderExcluir
  29. Olá, boa tarde!
    Adorei o blog, achei mt interessante..
    Se não for pedir mt, vc poderia me seguir, no meu blog??
    Eu já estou te seguindo..
    Desde Já Agradeço =)

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo(a) aqui, comente, se expresse!

Deixe-me que Te Leia...


Voltem sempre e saudações a tod@s!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Não posso, não quero e não vou fugir do que sou, sou a soma de todos os meus atos, sou o resultado de tudo que fiz e vivi, e vivendo na intensidade de mim, me tornei única!



Vanessa Palombo

Categorias

Arquivo

Visualizações