O Colhedor de Egoismo





Depois de um casamento de vinte anos divorciaram-se, ele não admitiu ser trocado por um homem mais jovem, em conflitos internos e tentando encontrar as respostas para o fracasso do seu casamento, um amigo do trabalho orientou-o a procurar ajuda.

E foi o que ele fez, pesquisando pela internet encontrou uma psicóloga que lhe chamou a atenção, achou que só uma mulher bela e jovem poderia entender-lhe, fez o tratamento durante seis meses, em seguida acabou brigando com a profissional, achou que ela era feminista demais,  ofendeu-a e chamou-a de autoritária. Em seguida, resolveu que se trataria com um homem mesmo, ele estava seguro que só um macho como ele poderia ajudá-lo, no terceiro mês discutiu com o profissional, e acabou chamando-o de libertino, afinal de contas um homem tão moderno e sem preconceitos só o atrapalharia, estava farto de toda aquela situação.
Desistiu então de fazer terapia, achava que esse tipo de tratamento era frescura de mulher,  acabou voltando-se para a religião como fuga, na verdade era ateu, não entrava numa igreja desde o seu casamento, quando o padre lhe pediu ajuda financeira para as obras da caridade, acabou brigando com o padre, e o chamou de interesseiro.

Percebia que dia após dia, ficava cada vez mais sozinho, e achava que ninguém era capaz de entendê-lo. Pensativo arrumou as malas e foi para a casa do seu filho mais velho, no segundo dia brigou com o rapaz, porque ele apoiava sua mãe, ele não acreditou no que ouvia, o filho estava a favor da mulher que o trocou por um homem mais jovem, a atitude do filho era inconcebível.
Sem pensar em mais nada, foi para a casa da sua filha, com certeza ela estaria do seu lado. Mal chegou e descobriu que ela estava do lado da mãe, a moça disse na cara do pai, que ele merecia tudo aquilo, pois era a pessoa mais egoísta que ela tinha conhecido na vida, na casa dela ele não permaneceu mais do que duas horas, em seguida voltou para a casa.
Ligou para alguns amigos e combinou um churrasco, durante a festa descobriu que todos os amigos, estavam do lado da ex mulher, eles a elogiaram o tempo inteiro e diziam que ele havia perdido uma grande mulher, irritado brigou com todos os amigos e mais uma vez voltou para a casa sozinho.

Desesperado procurou seus familiares, queria entender o que estava acontecendo, não entendia porque ninguém o apoiava, e numa reunião familiar, discutiu com seus dois irmãos, com seu pai e as cunhadas. Sua mãe olhava-o com espanto, teve tanta pena do filho que o pegou pelos braços e o levou para o quarto, chegando lá ele chorou sentido.

Sua mãe olhou-o nos olhos e disse –lhe emocionada:
-Meu filho, já é hora de você amadurecer e se encontrar, é hora de encarar a situação de frente, não estamos contra você, queremos o seu bem, mas parece que seu egoísmo cega-lhe os olhos, você não é capaz de enxergar sua própria vida!

Você perdeu tudo o que tinha por egoísmo e falta de paciência, você nunca ouviu o que a sua esposa dizia, sempre a tratou como uma empregada, ela dedicou-se a você durante vinte anos, e você não deu um dia da sua vida a ela. As suas férias sempre foram um tormento, você a deixava em casa e viajava com os amigos, você nem sequer lembrava a data do seu aniversário, nunca lhe fez um elogio, nunca a levou para jantar fora, você só pensava em você, em churrasco, cerveja e farrear com os amigos, você não foi capaz de enxergar a beleza daquela mulher, você não foi capaz de fazê-la feliz. Por isso te digo meu filho, o homem que está ao lado dela, viu nela o que você fingiu não ver, ele é bem mais jovem do que você, e independente da idade, pelo que sei, a trata como uma rainha, como ela sempre mereceu ser tratada.

Enquanto ouvia essas palavras chorou no colo da sua mãe como se fosse um menino, aflito olhou para ela e perguntou-lhe;
-E agora mãe, o que eu faço da minha vida?
- Meu filho, livre-se desse egoísmo que te dilacera a alma e cultive a paciência dentro do seu coração, aos poucos reconquiste o amor dos seus filhos, da sua família e a confiança dos seus amigos, com certeza eles te darão o perdão, para que você possa viver em paz.
-Mas mãe, e quanto a ela? Eu descobri que a amo e quero reconquistá-la!

Ela passou a mão nos cabelos do filho, fez um carinho em seu rosto e disse-lhe com os olhos cheios de lágrimas:
-Agora é tarde meu querido, não há o que fazer, passaram-se vinte anos e nada foi feito, mas se a ama realmente, é hora de provar o seu amor, deseje a ela do fundo do seu coração, que aquele homem faça o que você não fez, simplesmente deseje a ela, nada além do que alguém que a mereça, que a complete, alguém que a faça entender que relacionamentos felizes existem sim, e principalmente, deseje a ela, alguém que a faça conhecer o encantamento do amor correspondido, alguém que a valorize acima de tudo e que a faça provar pela primeira vez, como é fascinante a descoberta do verdadeiro sabor da felicidade...



Comente pelo Blogger
Comente pelo Facebook
Comente pelo Google+

29 comentários:

  1. É incrível como falta senso crítico em certas pessoas...o mundo lhe aponta suas falhas, a única forma de corrigir e recomeçar e ainda sim, alguns resistem e se consideram intocáveis. Mas não tem como fugir - em algum momento, a vida vem e bate com força. E sempre é tempo de reconhecer e recomeçar.
    bjos

    ResponderExcluir
  2. Hola Vanessa, impecable, me faltan palabras, muy bueno.

    Un abrazo

    ResponderExcluir
  3. Vanessa querida,

    Estive sumida e hoje,voltando,encontro esta bela crônica,retrato perfeito de várias uniões que vi desmoronar,pela vida afora.
    Perfeita.Você soube captar o espírito destas pessoas e tornou real a sua história.
    Bjssssss,
    Leninha

    ResponderExcluir
  4. O que doí é saber que muitos vivem assim, só dão valor quando perdem, mas o final foi tão bonito, amar é desejar a felicidade ao outro, parabéns mais um dos seus textos brilhantes.

    ResponderExcluir
  5. Muito boa história. Isso mostra o quanto sermos egoístas não leva a nada.

    Bjinhos XD

    ResponderExcluir
  6. Relações onde o "autismo" prevalece, dificilmente dá certo! O respeito, o equilíbrio e o bom senso fortalecem a relação.
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  7. Teus textos têm mensagens lindas e que levam a pensar.
    Muito bom mesmo!
    Adorei!
    Um grande bj querida amiga

    ResponderExcluir
  8. Cara chato brigou com todos, conheço um ser assim, no fundo da pena.

    ResponderExcluir
  9. O Egoimo é um mal perigoso.Muito bom seu texto pra refletir.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Uma infeliz, sei bem como é vivi 27 anos com uma pessoa assim.

    ResponderExcluir
  11. Pois é, existem pessoas que pensam que o mundo gira em volta delas.
    Revivi 29 anos da minha vida nesta história linda.
    Beijinho

    ResponderExcluir
  12. Bela mensagem, minha cara! Muito bonito!

    ResponderExcluir
  13. Oi Vanessa, gostei muito desse conto, mas muito mesmo!

    Apesar de caracturizado, o personagem se parece muito com algumas pessoas reais... aliás, um pouco com todos nós, pelo menos em algum momento da vida.

    ResponderExcluir
  14. São tragédias emocionais da vida real que acontecem por todos os cantos e espantos, muito triste. Um abraço, Yayá.

    ResponderExcluir
  15. Fiz uma enquete sobre o presente do Top Comentarista, se desejar votar, agradeço de coração.

    ResponderExcluir
  16. A história é real, é triste, mas quando a pessoa se arrepende, se torna feliz espiritualmente. Infelizmente a história não tem como voltar atrás...Vivendo e aprendendo...bjs

    ResponderExcluir
  17. Uma narrativa que acontece com muitas pessoas.Às vezes quando resolve voltar atrás de tantas atitudes erradas , não é mais possível. Mas o mudar já dá oportunidade de vidas serem refeitas. Parabéns pelo texto. Bjs

    ResponderExcluir
  18. A gente só da valor ao que tem
    depois que perde,esse é um ditado
    popular mas muito certo,e o egoismo
    não deixa mesmo a verdade aparecer
    Gostei muito desse post!!!

    ResponderExcluir
  19. Olá Vanessa, este texto é singular, parabéns, qtas pessoas não vivem situações parecidas com esta, adorei o final! Lindo! bjooss

    ResponderExcluir
  20. Conheço muitos assim...

    Estarei ausente por uns dias nas visitas, pois estou mexendo com mudança, tão logo esteja instalada voltarei, tem post novo lá...

    beijooo.

    ResponderExcluir
  21. oi amiga, confesso que emocionei ao ler esse conto, um super beijo e linda noite

    ResponderExcluir
  22. Gostei da introspecção...

    Mergulhaste com maestria nessa peculiar circunstância a vida.

    Parabéns!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  23. Oi,
    Tem selinho pra você no meu blog. Passa lá pra conferir. Bjs

    ResponderExcluir
  24. Olá!Boa noite!
    Bela crônica!
    Quantos casais não vê o relacionamento desmoronar, por que um dos,só reconhece o valor , após perder...
    Boa sexta!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  25. Vanessa, querida, belo texto baseado no real, e em tantas vidas que se vêem tarde demais prá voltar atrás.Beijos

    ResponderExcluir
  26. Sempre é tempo de mudar, de recomeçar, de melhorar. Amei

    ResponderExcluir
  27. Olá Vanessa,
    Muito bom o texto. Uma grande lição de vida. Realmente o egoísmo cega.
    Bela reflexão.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  28. Olá Vanessa. Gostei muito do seu texto. Nele revi o meu casamento de 33 anos, do qual me livrei apenas há três meses. Embora só, em termos de relacinamentos, estou muito mais feliz agora. As pessoas egoístas, não conseguem ver para além do seu próprio umbigo, e pensam que o companheiro tem que aguentar tudo o que lhes der na veneta.
    Vou seguir o teu blog, e obrigada pelo seu texto, que poderá ajudar algumas pessoas a reflectir. Beijo grande.
    Idália
    http://miminhosdaidalia.blogspot.com

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo(a) aqui, comente, se expresse!

Deixe-me que Te Leia...


Voltem sempre e saudações a tod@s!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Não posso, não quero e não vou fugir do que sou, sou a soma de todos os meus atos, sou o resultado de tudo que fiz e vivi, e vivendo na intensidade de mim, me tornei única!



Vanessa Palombo

Categorias

Arquivo

Visualizações