O Lago

Ela havia pedido suas férias, precisava se ausentar do trabalho fatigante, nao aguentava mais a rotina daquele escritório, já tinha programado sua viagem, queria um lugar calmo, o mais tranquilo possível.
Havia terminado recentemente um relacionamento de oito anos, decidiu que viajaria sozinha, naquele momento tudo o que ela mais queria, era paz e sossego, precisava de um tempo para refletir e pensar na vida.
Ela havia alugado um confortável chalé nas montanhas, quando chegou no local, seu coraçao bateu forte, a vista era deslumbrante, seu chalé ficava bem em frente a um belo lago, que parecia mais um cartao postal.
Seus dias foram de muita tranquilidade, passava horas sentada na varanda olhando para o lago. Já era noite e ela caminhava as margens do lago, observava a lua cheia refletida na água, e continuava a caminhar, quando desviou por um momento seu olhar para a direita, e viu um homem que estava poucos metros a sua frente, todo vestido de preto, encapuzado com uma faca na mao.
Ela olhava para ele imóvel, seu coraçao estava disparado e a sensaçao de medo já era indescritível, num segundo sem que ela esperasse ele começou a correr em sua direçao, ela apavorada corria e gritava por socorro, mas ninguém ouvia, parecia que nao existia mais ninguém naquele lugar, a nao ser os dois.
Ela corria e gritava desesperadamente, ele estava quase alcançando-a, ela estava a poucos metros do seu chalé, nao tinha outra alternativa, a nao ser entrar e trancar a porta. Conseguiu entrar e trancou a porta imediatamente, correu até porta da cozinha para verificar se estava trancada, em seguida pegou o telefone, precisava ligar para a policia, mas para o seu espanto, o telefone estava mudo completamente sem sinal.
Subiu as escadas correndo e achou seu celular que estava na cabeceira da cama, tentou ligar, mas lembrou-se que naquele lugar nao havia sinal algum.

Trancou-se no quarto e desesperada chorava sem parar, nao sabia o que fazer, estava com muito medo, nao tinha coragem de olhar pela janela, pra saber se aquele homem ainda estava lá, sentou-se na cama, quando de repente ouviu alguém batendo na porta do quarto. Levantou-se rapidamente e chorando tentou achar alguma coisa que pudesse se defender, a sensaçao que ela sentia era indescritível, o medo de morrer era tao grande, que seu corpo tremia apavorantemente.
Olhava para todos os cantos e nao encontrava nada que pudesse se defender, nao teve outra alternativa, pegou suas botas de salto alto que estavam embaixo da cama, quando ouviu uma voz dizendo:
- Olá!Boa noite! Você poderia abrir a porta por gentileza!
Desesperada ela disse.
-Eu já chamei a polícia, vá embora, quem é você? O que você quer?
Ela estava com tanto medo, que abriu a janela, queria fugir dali de qualquer maneira, havia uma árvore gigantesca ao lado da janela, agarrou-se na árvore e com muito custo conseguiu descer até o chao, quando virou-se ele estava na sua frente, mas sem o capuz, ela apavorou-se e ele disse:
-Oi Raquel, estávamos te esperando , estou lisonjeado de trabalhar com você, me disseram que era uma boa atriz, e pude comprovar isso!
-Do que você está falando? Quem é você?
-Muito prazer, meu nome é Jonas, irei contracenar com você no filme.
Ela olhava pra ele sem entender o que estava acontecendo.
-Meu nome nao é Raquel, nao sou atriz, meu nome é Marta e trabalho num escritório de contabilidade.
Ele estava perplexo, pediu mil desculpas a ela, e explicou-lhe que ele e a Raquel haviam combinado que ensaiariam a cena de perseguiçao, mesmo sem se conhecerem pessoalmente, que ele a avistaria naquela noite ao lado do lago, conversaram por algum tempo, e ele mostrou-lhe a faca de plástico que usam nas filmagens, no final da conversa riam sem parar daquela situaçao. Despediram-se e ela aliviada foi dormir.
No outro dia, Jonas foi até seu chalé e levou-lhe um buquê de flores, conversaram por muito tempo e no final da noite aconteceu um inesperado beijo.
E ficaram juntos todas as noites, depois que ele saia das gravaçoes do filme, e por coincidência descobriram que moravam na mesma cidade.
As férias de Marta acabaram, e mesmo assim eles continuavam se encontrando, depois de alguns meses decidiram dividir o mesmo apartamento, eles se completavam, as brigas só aconteciam pelo ciúme excessivo dela, afinal de contas ele era ator, e as vezes tinha que beijar outras mulheres, claro profissionalmente.
Depois de três anos juntos, tiveram o primeiro e único filho, e quando o bebê completou cinco anos, tiraram férias e voltaram para os Chalés nas montanhas, alugaram o mesmo que ficaram quando se conheceram, bem em frente ao lago, onde tudo começou, e toda vez que perguntavam como eles haviam se conhecido, os dois caiam na risada e mal conseguiam falar.





Vanessa P. @ Escritora
Comente pelo Blogger
Comente pelo Facebook
Comente pelo Google+

6 comentários:

  1. Uiaaa preciso urgente descansar
    num chalé desses viu..mas quero
    a mesma história pra mim rsrsrsr
    Como sempre vc tem bom gosto lindo!!!

    ResponderExcluir
  2. Ahahhaa!!!
    Que sorte ela teve! Gostaria de ter essa sorte também! Qual o endereço da montanha? rssss
    muitos beijos

    ResponderExcluir
  3. Muito boa estória, imagine só que estresse, ainda bem que tudo terminou bem!!!
    Adorei esse conto! Parabéns!!!
    Obrigada por me seguir!
    Ivone poemas
    henristo.blogspot.com

    Meus blogs: "poemas sem peias" e "levitar em brancas nuvens"

    ResponderExcluir
  4. Pensei que fosse um serial killer no começo, rsrsr gostei bem leve o conto.

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo(a) aqui, comente, se expresse!

Deixe-me que Te Leia...


Voltem sempre e saudações a tod@s!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Não posso, não quero e não vou fugir do que sou, sou a soma de todos os meus atos, sou o resultado de tudo que fiz e vivi, e vivendo na intensidade de mim, me tornei única!



Vanessa Palombo

Categorias

Arquivo

Visualizações