Londres 1816

Conto



Anne era uma bela mulher, mas uma moça comum, uma pessoa simples e batalhadora, quando conheceu Tymoti, se apaixonou, ele era inteligente, simpático, bem educado, seu nível acadêmico e sua situação financeira, eram superiores as dela.
Pouco tempo depois já estavam casados, ela em sua simplicidade havia sido muito sincera, contou tudo sobre vida, sobre um antigo relacionamento, disse a ele que não havia sido leal, que havia feito seu ex namorado sofrer, e que estava arrependida disso, eles eram muito jovens e ela não tinha amadurecimento suficiente, disse também que havia mudado, era uma nova mulher, que com Tymoti seria tudo muito diferente, que ela o respeitaria, sempre seria sincera, leal, verdadeira e fiel a ele. Tymoti também falou sobre sua vida, também havia cometido vários erros, também havia sido infiel, enfim cometera os mesmos erros, como todos outros mortais.

Mas ele era ciumento, possessivo e desconfiado, em todas as brigas, não perdia a oportunidade de jogar-lhe na cara, tudo o que ela havia feito com o ex, não a perdoava por isso, achava que ela faria da mesma forma com ele. Mas com ele, ela nunca havia feito nada. Anne sabia diferenciar o passado do presente, mas ele era cruel em suas palavras, sempre acabava ofendendo-a.

Ela não fazia nada sem ele, não saia com amigas, com parentes, só saia de casa se fosse com ele, vivia pra ele, mesmo assim o ciúme e a desconfiança dele não a deixava em paz, ele vasculhava sua vida, parecia viver em busca de querer encontrar alguma coisa errada, mas nunca nada encontrou, pois ela era sincera, nunca havia mentido pra ele, mas ele não acreditava.

Era como se ele fosse uma espécie de “juiz,” julgava-a mas não dava-lhe o direito de defesa, ela era sempre condenada inocentemente, seus pensamentos e seus olhos eram
maquiavélicos, ele via coisas que não existiam, criava, fantasiava fatos, que a deixava perplexa. Era como se ela precisasse provar todos os dias, quem ela era, o que queria, e o que pretendia em relação a ele.
Ela tentou ajudá-lo de todas as formas, mas nada adiantava, quando ele percebia que ia perdê-la, ele amenizava a situação, por alguns dias tentava ser diferente, mas logo depois sua insegurança falava mais alto, e num piscar de olhos começava tudo de novo.

Anne sabia que o comportamento dele havia se tornado compulsivo, ela tinha consciência de que ele estava doente. Numa noite fria, Anne não agüentou mais aquela situação, estava fazendo suas malas, disse que o abandonaria pra sempre, que estava infeliz. Ela estava se encaminhando para a porta com as malas nas mãos, quando Tymoti ajoelhou-se e implorou para que ela não fosse embora, mas ela estava decidida a ir, quando Anne abriu a porta, ele enlouqueceu, puxou-a e a jogou no chão com força, sem que ela tivesse tempo para se defender, Tymoti a matou com um mancebo de madeira, que estava atrás da porta, onde guardava seu chapéu e seu casaco.
Anne estava grávida, naquela noite ia contar as boas novas ao marido, Tymoti saiu correndo desorientado pela noite afora, pouco tempo depois suicidou-se, amarrou uma corda no pescoço e pulou de uma ponta da cidade.
Tymoti na verdade, nunca conheceu Anne em sua essência, nunca acreditou que sua mulher amava-o, e que por ele foi capaz de tudo, ela deixou sua vida pra viver a dele e pra ele. Ele nunca sentiu-a, nunca acreditou em suas palavras, a desconfiança que cegava-lhe os olhos, não permitiu que ele enxergasse, a verdade e a lealdade impressas naquela mulher.



Vanessa P. @ Escritora
Comente pelo Blogger
Comente pelo Facebook
Comente pelo Google+

9 comentários:

  1. Olá!
    Tanta realidade neste conto! A cegueira que impede a vida.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Que lindo esse texto. As vezes a cegueira nós impede de ver tanta coisas na vida, que perdemos a chance de ser feliz. Um abraço e ótima semana

    Smareis

    ResponderExcluir
  3. É horrivél qdo uma pessoa
    não acredita na outra.
    Muitos são infelizes por conta
    disso...A DESCONFIANÇA!!!!

    ResponderExcluir
  4. Já tive muito ciume de minha esposa e sei como isso é doentio.

    parabens pelo conto.

    ResponderExcluir
  5. Passei para a gradecer sua visita.
    Também estou te seguindo.
    Volte sempre!!!
    bjss

    ResponderExcluir
  6. Violencia contra a mulher, tema super real, ciumes estraga a vida de qqr um.

    ResponderExcluir
  7. Oi Escritora!
    Foi um prazer ter encontrado o teu blog! Se me permite, gostaria de linkar o teu. O meu é www.umcavaloselvagem.blogspot.com. Dê uma passada, tenho a impressão de que irá gostar.

    ResponderExcluir
  8. Isto retrata a vida de muitas mulheres infelizmente.

    ResponderExcluir
  9. Triste demais só que isso acontece mesmo né da dó de pessoas assim vão sofrer até um dia.

    ResponderExcluir

É um prazer tê-lo(a) aqui, comente, se expresse!

Deixe-me que Te Leia...


Voltem sempre e saudações a tod@s!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Não posso, não quero e não vou fugir do que sou, sou a soma de todos os meus atos, sou o resultado de tudo que fiz e vivi, e vivendo na intensidade de mim, me tornei única!



Vanessa Palombo

Categorias

Arquivo

Visualizações