Medo do Amanhã





Olá caros Amigos e Leitores,
Há muito tempo não atualizava meu Blog, estava sem tempo e sem inspiração, mas agora que estamos em quarentena por causa dessa epidemia que dominou o mundo, resolvi escrever novamente.



Não há nada pior do que o medo do amanhã,
De não saber para onde ir ou voltar,
Até ontem desconhecia completamente  o que era a solidão e o desespero,
Agora estou sentindo todas as sensações possíveis que a solidão e o desespero fazem dentro da alma.

Não adianta tentar afogá-los em  rios de lágrimas,
Parece que se fortalecem com isso,
Na verdade solidão e desespero se fortalecem com o medo,
E a função do medo é nos apavorar, sugar nossas forças e nossas energias um pouco mais a cada dia.

Logo eu, a mulher mais corajosa que já conheci nessa vida, estou com medo do amanhã,
Das consequências sombrias do amanhã,
Da falta de trabalho,
Do dinheiro que  vai faltar pela falta do trabalho,
E sem dinheiro para sobreviver não há honra,

O amanhã escondeu a esperança atrás de algo invisível como esse vírus,
O amanhã assopra a chama da vela da minha fé, bem diante dos meus olhos,
Estou sentindo o peso da solidão por não poder visitar os que mais amo!
Estou isolada numa ilha sem sol e sem mar,

Onde as ondas do desespero batem no meu corpo imóvel,
Estou apenas deitada na areia,
Olhando o céu cinzento,
Para que do alto,
Deus mande a salvação....

                                                            

Perigosamente Doce






                               As coisas aconteciam naturalmente,


                       Essência, corpo e mente encaixavam-se perfeitamente,

                                         Envolventemente,

                                                   Incontestavelmente,

                                                             Docemente,



                          A química da paixão estampada nos olhos,

                             Aflorava desejos incontroláveis na pele,

                                   Sensações delirantes pairavam no ar.





Nossas essências tingidas de vermelho paixão,

                             Misturavam-se incansavelmente.

                                       Deliberadamente,

                                            Inexplicavelmente,

                                                 Sedutoramente,


                                          Na minha boca deixou um sabor enigmático,

                                                              Perigosamente doce....






                                                           
                                                              


                         
                                                       



A Caixa das Respostas




Meus sentimentos estão fora de controle,
Há um mar revolto dentro da minha cabeça,
Meus pensamentos são arremessados contra minha têmpora,
Depois,
Com a mesma intensidade são lançados para trás de um forma frenética e incontrolável.


Tento acalmá-los,
Tento compreendê-los,
Tento decifrá-los.
Mergulho então nas águas escuras do meu próprio ser,
Para encontrar a caixa das respostas,
Mas é em vão.


Entre o atrito das ondas incontroláveis,
Que insistem em percorrer o meu corpo para afogarem justamente o meu coração,
Na transição dos detalhes,
A dor, os erros e as mágoas também se afogam....




                                                                       

Nas Entrelinhas




Quando não escrevo,
As palavras sufocam-me ferozmente,
Tanto, que preciso libertá-las a todo custo,
Soltá-las ao vento,
Para que voem livres na imensidão do ir e vir do tempo.

As palavras também precisam de carta de alforria,
Precisam de força para chegarem ao destinatário,
Tanto faz se as palavras chegam explícitas ou nas entrelinhas,
Sinceramente, isso não importa.

Até porque,
Nas entrelinhas das palavras é que as coisas mais inesquecíveis são ditas,
Nas entrelinhas dos pensamentos formam-se todas as memórias,
E nas memórias,
Minha história nas entrelinhas...


                                              


Previsível






Tudo parece tão previsível tratando-se dela,
As pessoas preocupam-se com seu bem estar,
Com sua saúde física e mental de verdade.

Sua família anseia por mudanças,
De certa forma,
Todos a aconselham incansavelmente,
Tentam orientá-la,
Tentam ampará-la,
Tentam confortá-la para que perca o medo de enfrentar o desconhecido,
Medo ou comodismo de arriscar-se para o novo?
Talvez nem ela saiba a palavra exata que a descreva.

Vive um relacionamento devastador,
As pessoas a sua volta sofrem da mesma forma,
Esperam ansiosas por alguma mudança,
Esperam que um dia ela diga Não a Ele.

Enquanto isso,
Perde a razão e a noção do que lhe causa mal,
É chantageada,
Humilhada,
Agredida tanto fisicamente quanto verbalmente.

Não sabe o que é brio,
Orgulho,
Ou amor próprio.

Vive inconscientemente dentro de um filme dramático,
Onde a personagem principal é Si mesma.

As vezes,
Tenho a impressão que ela só sabe viver se for assim,
Não há nada que possa ser feito sem o consentimento dela,
Só ela é capaz de mudar o roteiro,
As personagens,
O cenário,
E reescrever sua história.

Por enquanto, lamento!

O tempo está passando e continua vivendo a história de um filme nada original,
Pelo contrário,
Infelizmente esse filme é igual a história real de tantas mulheres.

Melancólico,
Violento,
Incerto,
Com final trágico e infeliz,
Tão obviamente,
Previsível...



Nossa História




Todas as direções nos levavam ao desespero,
Parecia que vivíamos em câmera lenta,
A confiança havia se despedaçado,
Como um cristal atirado com força ao solo,
Os cacos estavam espalhados por toda parte.

O espelho que refletia nossas certezas,
Havia sumido com o caminhão que fez nossa mudança,
Uma tempestade devastadora  havia nos roubado a esperança,
Ficamos por muito tempo submersos nas lágrimas que nos afogavam lentamente,
Desistimos de nós,
Por achar que todos os nossos sentimentos,
Haviam desaparecido no frio da escuridão,
Nos sentenciamos a uma prisão dolorosa e invisível,
Não havia saída,
Todas as direções desapareciam diante dos nossos olhos.

Até que,
Naquele dia,
Nossos olhares se reencontraram,
E nos enxergamos além da retina,
Enxerguei sua alma tímida e amedrontada,
Você conseguiu enxergar a minha despida de tudo,
Então nos reconhecemos no meio do caos,
E nesse caos, espalhamos nossas sementes e plantamos nossos girassóis.

Com o tempo colocamos novamente tudo em seu devido lugar,
Consertamos tudo que havíamos quebrado,
Com raios de sol iluminamos tudo que não tinha cor,
Retiramos o entulho e pintamos as paredes com o nosso amor.

No jardim da nossa vida,
( Vida, forma carinhosa de se referir a mim)
Agora regamos a certeza, a esperança, a paciência,
E principalmente, a cumplicidade e a confiança.

Nada é eterno,
Mas tudo que vivemos,  certamente é!

Vamos viver intensamente nossa história,
E o que tiver de ser,
Que seja só com você....




Indefinido





Ela escrevia para  libertar-se,
Para extravasar o que estava sentindo,
Pensamentos incontroláveis,
Insanos sobrevoavam sua cabeça.

Tudo era o que parecia ser,
Tudo fazia sentido por algum tempo,
Mas depois não mais,
Sentimentos inexplicáveis misturavam-se aos que eram óbvios,
E chocavam-se,
Chocavam-se e misturavam-se,
Seguidamente nesta ordem.

Tudo era inconstante e indefinido,
Tudo era e não era,
Todas as emoções eram supostamente explicáveis,
E indefinidamente irreais.

Ela queria ser na verdade uma estátua de gelo,
Para não sentir mais nada,
Mas sentia,
E o que sentia, feria a alma.

Então  para não afogar-se dentro de um mar de lágrimas secas,
Escrevia para libertar-se,
Para compreender se as regras sem regras do coração,
Se pela razão fazem sentido!?
Ou se tudo nao passa mesmo,
De Indefinido....

                                                          

Não posso, não quero e não vou fugir do que sou, sou a soma de todos os meus atos, sou o resultado de tudo que fiz e vivi, e vivendo na intensidade de mim, me tornei única!



Vanessa Palombo

Categorias

Arquivo

Visualizações